Motoboy Art Entrega Rápida
Solução para seu problema de entregas rápidas com motoboy em São Paulo.


A Motoboy Art Entrega Rápida é uma empresa formada por motoboy (s) profissionais e também é uma prestadora de serviços de coletas, entregas, logística, correspondências, translado de pessoal, malotes, serviços bancários e à domicílio. Estabelecida em Alphaville, atua há 14 anos nesse segmento de mercado, e está entre as melhores empresas de São Paulo, sendo especializada na prestação de serviços de entregas rápidas de documentos e pequenos volumes, possui a melhor solução em terceirização para sua empresa tendo motoboy (s) treinado (s) e com grande conhecimento das ruas de São Paulo e Grande SP, e prestando serviços de motoboy 24horas, 7 dias semanais.

A Motoboy Art Entrega Rápida presta serviços para empresas: gráficas, farmácias, agencias de publicidade, lojas de peças, agencias de turismo, pizzarias, bancos, metalúrgicas, escritórios, e particulares em São Paulo, Grande São Paulo, interior e litoral em geral, com rapidez e segurança garantindo assim total responsabilidade pelo seu patrimônio de forma adequada, eficiente e segura, antecipando soluções pertinentes a cada tipo de empresa, gerando sempre comodidade e conforto para os nossos clientes diretos e indiretos com o melhor custo beneficio. Buscando atender com eficiência nossos clientes, nosso (s) motoboy (s) é equipado com rádios Nextel em todos os serviços acima mencionados.

Colocamos a disposição motoboy(s) qualificado (s) e devidamente treinado (s), e veículo (s), Fiorino (s), Kombi(s), van(s) e caminhões equipados e idôneos, e um atendimento imediato aos serviços com caráter de urgência.

A segurança e a qualidade na prestação de serviços e nas entregas são focos em nosso objetivo de atendimento aos nossos clientes. Nossa prestação de serviço é realizada através de motoboy, Fiorino, Kombi, van e caminhão. Utilizando nossos serviços levamos aos nossos clientes a eliminação de dificuldades relacionadas com a mão-de-obra e deslocamento de entregas e coletas.

Para atender as solicitações de serviços de entregas e coletas, mantemos motoboy (s), Fiorino (s), Kombi (s), van(s) e caminhões e motoristas em condições de substituir de imediato eventuais situações que comprometam a efetivação dos serviços. Dispomos de pessoal apto a atender e otimizar roteiros de entregas e/ou coletas, diminuindo o custo e o período dos serviços de transporte.

Tendo forte atuação em Alphaville - Barueri, Osasco, Santana de Parnaíba, Jandira, Carapicuíba e toda zona Oeste da Grande São Paulo, nossos motoboy (s) Fiorino (s), Kombi (s) e Van (s) estão preparados para entregas, coletas, retiradas, distribuição de brindes e translado de pessoal, malotes, serviços bancários, logística e entregas á domicilio.


Motoboy Art - SP - (11) 4161 2318 / 4161 2312 / 4161 1105



Links:   

" Bem-aventurado aquele que teme ao SENHOR e anda nos seus caminhos.Pois comerás do trabalho das tuas mãos; feliz serás, e te irá bem.A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos como plantas de oliveira à roda da tua mesa.Eis que assim será abençoado o homem que teme ao SENHOR.O SENHOR te abençoará desde Sião, e tu verás o bem de Jerusalém em todos os dias da tua vida. E verás os filhos de teus filhos, e a paz sobre Israel.."

Salmos. 128:1:6



motoboys perdizes motoboys na vila madalena  motoboys no mandaqui  motoboys na zona leste  motoboys para viagem  motoboys na zona sul 
motoboys na sumaré  motoboys no piqeuri  motoboys na zona oeste  motoboys no parque são domingos  motoboy na vila leopoldina motoboy em sp  
motoboys na santa cecilia  motoboys na pompeia  motoboys em são paulo   motoboys na zona norte   motoboy na vila dos remédios   motoboys na agua branca 
motoboy em são paulo     motoboys em sp  motoboy no limão  motoboys no pacaembu  motoboy na zona oeste  motoboy em pirituba 
motoboys na vila leopoldina  motoboy no piqeuri  motoboys lapa  motoboys na freguesia do Ó   motoboy na casa verde  motoboy na barra funda 
motoboy no pacaembu  motoboy no parque são domingos  motoboys no jaragua  motoboys no limão  motoboys no jaguaré   motoboy na pompeia  
motoboy no jaragua  motoboys na vila dos remédios motoboys em pirituba  motoboys na barra funda  motoboys na casa verde  motoboy lapa 
   

Administrador













LEI Nº 12.009, DE 29 DE JULHO DE 2009.

Regulamenta o exercício das atividades dos profissionais em transporte de passageiros, “mototaxista”, em entrega de mercadorias e em serviço comunitário de rua, e “motoboy”, com o uso de motocicleta, altera a Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997, para dispor sobre regras de segurança dos serviços de transporte remunerado de mercadorias em motocicletas e motonetas – moto-frete –, estabelece regras gerais para a regulação deste serviço e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o Esta Lei regulamenta o exercício das atividades dos profissionais em transportes de passageiros, “mototaxista”, em entrega de mercadorias e em serviço comunitário de rua, e “motoboy”, com o uso de motocicleta, dispõe sobre regras de segurança dos serviços de transporte remunerado de mercadorias em motocicletas e motonetas – moto-frete –, estabelece regras gerais para a regulação deste serviço e dá outras providências. Art. 2o Para o exercício das atividades previstas no art. 1o, é necessário: I – ter completado 21 (vinte e um) anos; II – possuir habilitação, por pelo menos 2 (dois) anos, na categoria; III – ser aprovado em curso especializado, nos termos da regulamentação do Contran; IV – estar vestido com colete de segurança dotado de dispositivos retrorrefletivos, nos termos da regulamentação do Contran. Parágrafo único. Do profissional de serviço comunitário de rua serão exigidos ainda os seguintes documentos: I – carteira de identidade; II – título de eleitor; III – cédula de identificação do contribuinte – CIC; IV – atestado de residência; V – certidões negativas das varas criminais; VI – identificação da motocicleta utilizada em serviço. Art. 3o São atividades específicas dos profissionais de que trata o art. 1o: I – transporte de mercadorias de volume compatível com a capacidade do veículo; II – transporte de passageiros. Parágrafo único. (VETADO) Art. 4o A Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997, passa a vigorar acrescida do seguinte Capítulo XIII-A: “CAPÍTULO XIII-A DA CONDUÇÃO DE MOTO-FRETE Art. 139-A. As motocicletas e motonetas destinadas ao transporte remunerado de mercadorias – moto-frete – somente poderão circular nas vias com autorização emitida pelo órgão ou entidade executivo de trânsito dos Estados e do Distrito Federal, exigindo-se, para tanto: I – registro como veículo da categoria de aluguel; II – instalação de protetor de motor mata-cachorro, fixado no chassi do veículo, destinado a proteger o motor e a perna do condutor em caso de tombamento, nos termos de regulamentação do Conselho Nacional de Trânsito – Contran; III – instalação de aparador de linha antena corta-pipas, nos termos de regulamentação do Contran; IV – inspeção semestral para verificação dos equipamentos obrigatórios e de segurança. § 1o A instalação ou incorporação de dispositivos para transporte de cargas deve estar de acordo com a regulamentação do Contran. § 2o É proibido o transporte de combustíveis, produtos inflamáveis ou tóxicos e de galões nos veículos de que trata este artigo, com exceção do gás de cozinha e de galões contendo água mineral, desde que com o auxílio de side-car, nos termos de regulamentação do Contran. Art. 139-B. O disposto neste Capítulo não exclui a competência municipal ou estadual de aplicar as exigências previstas em seus regulamentos para as atividades de moto-frete no âmbito de suas circunscrições.” Art. 5o O art. 244 da Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997, passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. 244. ................................................................................. ................................................................................................ VIII – transportando carga incompatível com suas especificações ou em desacordo com o previsto no § 2o do art. 139-A desta Lei; IX – efetuando transporte remunerado de mercadorias em desacordo com o previsto no art. 139-A desta Lei ou com as normas que regem a atividade profissional dos mototaxistas: Infração – grave; Penalidade – multa; Medida administrativa – apreensão do veículo para regularização. § 1o ................................................................................ ....................................................................................” (NR) Art. 6o A pessoa natural ou jurídica que empregar ou firmar contrato de prestação continuada de serviço com condutor de moto-frete é responsável solidária por danos cíveis advindos do descumprimento das normas relativas ao exercício da atividade, previstas no art. 139-A da Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997, e ao exercício da profissão, previstas no art. 2o desta Lei. Art. 7o Constitui infração a esta Lei: I – empregar ou manter contrato de prestação continuada de serviço com condutor de moto-frete inabilitado legalmente; II – fornecer ou admitir o uso de motocicleta ou motoneta para o transporte remunerado de mercadorias, que esteja em desconformidade com as exigências legais. Parágrafo único. Responde pelas infrações previstas neste artigo o empregador ou aquele que contrata serviço continuado de moto-frete, sujeitando-se à sanção relativa à segurança do trabalho prevista no art. 201 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943. Art. 8o Os condutores que atuam na prestação do serviço de moto-frete, assim como os veículos empregados nessa atividade, deverão estar adequados às exigências previstas nesta Lei no prazo de até 365 (trezentos e sessenta e cinco) dias, contado da regulamentação pelo Contran dos dispositivos previstos no art. 139-A da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, e no art. 2o desta Lei. Art. 9o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 29 de julho de 2009; 188o da Independência e 121o da República. LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Tarso Genro Marcio Fortes de Almeida

motoboys Nova Legislação Para Empresas De Motoboys Publicado em: 24/09/2009
O objetivo da nova legislação é melhorar as condições de trabalho e aumentar a segurança dos motoqueiros. Porem isso não agradou a todos, devido a pelo menos 30 mil motoboys que terão problemas para trabalhar com fretes remunerados devido a burocracia existente pela nova legislação. A nova lei proíbe prestação de serviços por pessoas que tenham, por exemplo, motos registradas em nome de terceiros, e que não obtenham o cadastro obrigatório (condumoto) e que não obtenham os equipamentos de seguranças necessários como o capacete que já era obrigatório, um protetor de linha de pipas, equipamentos para proteção de membros inferiores, e baús, regulamentado pelo conselho nacional de transito. Segundo ao Denatran, o transporte de cargas só poderão ser efetuados com baús, ou grelhas, os baús não poderão ultrapassar a largura máxima de 60 cm e a sua altura máxima de 70 cm, o peso transportado também é considerado já que de acordo com o sindicato o peso Maximo permitido é de 40 kg. As motos deveram ter uma placa de identificação na cor vermelha e o motociclista terá que utilizar coletes e baús com faixas retrorefletivas e fluorescentes,. Anúncios Google Até o final do mês de setembro todos os motoboys e empresa de motoboy já terão de ter se adequado a nova legislação, caso isso não aconteça às punições variam de multas de R$19,15 a R$ 153,16, e podem dobrar em caso de reincidência, a cassação do Condumoto e da licença de operação do serviço de moto frete, e até mesmo a apreensão da motocicleta. fonte: www.artigonal.com/motocicletas-artigos/nova-legislacao-para-empresas-de-motoboys-1266942.html

Nova lei obriga motoboys a fazer curso para poder trabalhar

Serão lições sobre leis de trânsito e técnicas de defesa de acidentes. O objetivo é diminuir os acidentes e as mortes no trânsito. A paisagem urbana brasileira tem milhares de pontos que se movem, em velocidade, com risco e barulho de buzinas estridentes. São os motoboys e mototaxistas. Uma solução adotada em cidades sem planejamento de transporte e com muita pressa. Agora, para poder trabalhar, eles vão ser obrigados a fazer um curso - uma das exigências da lei que reconheceu as profissões. O objetivo é diminuir os acidentes e as mortes no trânsito. Eles sempre têm pressa. Velocidade, audácia e malabarismo que, com muita frequência acabam em tragédia. Todos os dias, em todo o país, 23 motoqueiros morrem em acidentes de trânsito. A maioria é de motoboys e mototaxistas que, muitas vezes, não têm o treinamento adequado. “Hoje em dia qualquer motoqueiro tira habilitação, coloca na rua. Não precisa ter experiência, não precisa ter preparo nenhum”, aponta um motociclista. “Está faltando bastante educação no trânsito”, diz um motoboy.

A decisão agora é treinar melhor os motoboys e os mototaxistas. Por isso o Conselho Nacional de Trânsito decidiu: todos eles terão que fazer um curso. Serão lições sobre leis de trânsito e técnicas de defesa de acidentes. O curso será dado nos próprios postos do Detran. Os alunos têm que ser maiores de 21 anos e ter pelo menos dois anos de carteira de habilitação. A duração do curso é de 25 horas de aulas teóricas e cinco de aulas práticas. Importante: os participantes não precisarão pagar. É de graça. “Acho que isso vem atender bastante a expectativa, não só dos motociclistas, mas dos motoristas também, você ter mais segurança para o motociclista tem também para o motorista e pedestre”, afirma Eduardo Albuquerque, da Associação de Motociclistas do Rio de Janeiro. Circulam hoje pelas ruas do Brasil 2,5 milhões de motoboys e mototaxistas. Eles terão até o dia 15 de dezembro para concluir o curso. Depois desta data as empresas que contratarem motoqueiros sem o certificado também responderão a processos judiciais. “Se ele não preenche os requisitos legais estabelecido pela regulamentação será corresponsável e poderá responder a uma indenização civil pelo dano que ele causar a terceiros. Quem sabe penalmente”, alerta o presidente do Conselho de Trânsito/RJ Sérgio Damasceno. Os profissionais também vão ter de usar equipamentos de segurança como protetor de penas, colete e capacete especiais, além de antena corta-pipa.
fonte: g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2010/06/nova-lei-obriga-motoboys-fazer-curso-para-poder-trabalhar.html